Frio Meu

20 jun

Desejos e paixões não dormitam no inverno

Há calor debaixo do cobertor

Na mesa, o chocolate quente convida enfrentar

A manhã fria de inverno e eu pensando em você

Com ardor, dormir aninhada depois de fazer amor

 

Doce hybris

30 set

Quem te dá as coordenadas pode facilmente te enganar.

ZZL17

Secret

9 ago

Eu tenho tédio de mundo sem segredos.

Doce hybris

Rumo à Primavera

22 jul

O bom do inverno é que é tempo de quebrar o gelo.

Doce hybris

Mudanças

25 maio

Logo que chegamos em casa, após o enterro de vovó, minha mãe foi logo avisando: `A partir de hoje, você vai aprender a comer o que tem, chega de macarrão. Sua avó te mimava muito!´. Era verdade. E também foi a melhor amiga e a primeira professora de confeitaria que tive.

Pouco tempo depois, meus tios chegaram em casa e começaram uma caçada pelo tesouro de `mamãe´: abrindo os guarda-roupas, o buffet e a estante da sala como bichos selvagens. Nenhum canto da casa passou incólume a ganância dos três irmãos, quem encontrasse o objeto primeiro, tornava-se o dono. E os montes acumulavam-se pelos cômodos da casa. Quase levaram uma imagem de Santo Antônio que pertencia a minha mãe. Para mim restaram: uma bandeja, uma cumbuca de barro com mosaíco no fundo e uma caixinha de música.

Alguns dias depois, Rubens (o ricaço) voltou para buscar as revistas Cruzeiro.

No ano seguinte, mamãe avisou que não faria mais festas de aniversário, porque eu já era mocinha. Sendo assim, não havia necessidade, festinhas eram para crianças. Nesse ano, oito anos de idade.

Aos doze anos, papai faleceu e Joana perdeu o controle. Por um ano e meio, ela fez da casa um puteiro, um terreiro de magia negra, um pandemônio. Fui prejudicada e sai extremamente traumatizada dessa crise.

Como a casa em que morávamos era do Rubens, foi um pedido dele que partissemos.

Ele pagou o aluguel de uma casa geminada por seis meses e levou para lá o que restou após a `venda de garagem´. Era possível ver as estrelas através dos buracos das telhas a noite e como a fossa da vila ficava próxima da casa, a presença de roedores era constante.

Parte da mobília ficou no chão de terra batida vermelha e apesar do telhado, quando chovia, a água escoava e molhava o pé da mesa de jantar e o buffet de vovó.

Os objetos foram vendidos e foi difícil para mim, por ter crescido cuidando de cada pires que pertencera a Maria como fazíamos juntas. Aos poucos, meus tios afastaram-se até desaparecer da minha vida.

Arlequina

O preço da ignorância

12 maio

– Posso contar um segredo?

– Melhor não.

– Obrigado pela sinceridade.

 

Doce hybris

hoje, você não será nada.

26 mar

acha que serei piedoso?
aceite o teu destino.
conte em voz alta.
deixe-me apreciá-la.
tudo tem seu preço.
mantenha-se na posição ordenada.
logo você entenderá qual é o teu lugar aqui.
ajoelhe-se.
imóvel.
todas as noites.
vulnerável.
diga-me exatamente o que você quer.